OTC Brasil 2023

Indústria procura combustíveis para descarbonizar transporte marítimo

Ao se basear na disponibilidade de fontes e cenários apresentados hoje, parece não haver solução pronta, concluíram palestrantes presentes na OTC Brasil 2023

b


Um dos setores mais críticos para a descarbonização, a indústria naval procura os combustíveis adequados para zerar suas emissões até 2050. As metas acordadas internacionalmente preveem a redução de emissões em 20% até 2030; de 70% até 2040, zerando em 2050. O segmento consome anualmente 300 milhões de litros de combustíveis fóssil.

O GNL, reconhecido na última cúpula sobre o clima como fonte alternativa para a transição energética, pode ser uma boa solução para o setor marítimo em regiões como Ásia e Europa, mas no Brasil esbarra na falta de infraestrutura.

Num momento em que fontes fósseis têm prazo de validade, ninguém quer investir pesado em portos e terminais necessários ao uso do produto como combustível para embarcações, lembram os especialistas.

“O GNL contribui para a meta de 2030, então é combustível para ser usado já agora. No Brasil não tem infraestrutura … ”, disse Ricardo Cesar Fernandes, diretor-executivo da Associação Brasileira dos Armadores Noruegueses. “Estamos agora em uma corrida  para definir qual o combustível que será usado para 2050”, acrescentou.

No caso dos biocombustíveis, palestrantes no painel concordaram que a regulamentação tem bom nível de maturidade, mas ainda faltam eficiência e competitividade de preço.

“Biocombustível é dos grandes candidatos, mas é preciso eficiência do uso de combustível a bordo” afirmou o consultor Jonas Matos, da DVN.

Estudo coordenado pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) prevê que etanol e o biodiesel, biocombustíveis convencionais, responderão pela maior parcela da oferta de bionergia. Porém, o estudo destaca que, a partir de 2040, ganham destaque os biocombustíveis avançados, produzidos por meio de diversas rotas tecnológicas, tais como: o diesel verde, o bioquerosene de aviação, a gasolina verde e os biocombustíveis para uso marítimo.

O diretora do IBP, Valeria Lima, lembra que o setor naval representa apenas 0,5% das emissões de carbono no Brasil, enquanto no mundo são 2%. Apesar disso, ela defende agilidade nas soluções para a transição energética.

A gerente de Óleo, Gás e Indústria Naval, Innovation Norway, agência da Noruega para exportações, Raquel Filgueiras, defende o potencial de parcerias entre o Brasil e o país nórdico.

Segundo ela, a Noruega, com abundantes recursos financeiros e tecnológicos, pode ajudar o Brasil a realizar os investimentos vultosos necessários à transição energética neste setor.

“É preciso criar arcabouço regulatório que se incentive uso de tecnologias e que permita que companhias sejam livres para sar e realizar seus avanços tecnológicos (…) Os recursos são limitados, então o quanto antes o Brasil conseguir estruturar politicas estratégicas, consegue chegar lá”, afirmou.

O painel Norway’s Contributions to Decarbonization for the Maritime Sector in Brazil, ocorreu no primeiro dia do evento, no Offshore Arena.


você pode gostar também
Abrir Whatsapp
Precisa de Ajuda?
Olá! posso te ajudar?