Radar » Cade decide pelo “não conhecimento” da parceria proposta pela Saipem e Technip

Opinião

Redução da capacidade ociosa deixa mercado de petróleo exposto a riscos geopolíticos e de abastecimento

O mercado de petróleo enfrenta uma situação precária em 2022 em meio a novas interrupções no fornecimento, riscos geopolíticos elevados, diminuição da capacidade ociosa da OPEP + e um aumento nos incidentes de segurança direcionados à infraestrutura petrolífera

b


Com a retomada da tendência de alta, os preços atingiram máximas de vários anos, desafiando as expectativas de que a oferta superaria a demanda no primeiro trimestre. Em 19 de janeiro, o Brent atingiu um pico de sete anos de US$ 89,05/barril depois que os fluxos de petróleo ao longo do oleoduto Kirkuk-Ceyhan foram interrompidos devido a uma explosão de linha perto da cidade de Kahramanmaras, no sudeste da Turquia.

Agora, os mercados de energia concentram a atenção nos eventos que se desenrolam na fronteira Rússia/Ucrânia. Com qualquer escalada, dependendo do grau, vem a probabilidade de discussões sobre sanções, perguntas sobre o momento da inicialização do Nord Stream 2 e questões de financiamento e disponibilidade de equipamentos para o setor de petróleo upstream da Rússia.

Interrupções recentes já reduziram a previsão da Platts Analytics para o fornecimento de petróleo, incluindo uma paralisação de três semanas na Líbia, distúrbios no Cazaquistão e paralisações de oleodutos no Equador. Combinadas com o crescimento constante da oferta russa em dezembro e uma revisão para baixo nos embarques nigerianos, essas interrupções reduzirão nossa previsão da OPEP+ em 125 mil bpd em dezembro e 500 mil bpd em janeiro em comparação com nosso caso de referência de dezembro.

Todo esse contexto mostra como as restrições de capacidade em quase todos os membros da OPEP+, exceto Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, tornarão o mercado de petróleo mais vulnerável a riscos de abastecimento em 2022, incluindo interrupções geopolíticas e impactos climáticos, como a temporada de furacões nos EUA.

Redução da capacidade ociosa

Nos últimos anos, a diversidade de oferta, níveis mais altos de capacidade ociosa global e a expansão das reservas estratégicas de petróleo ajudaram a isolar os mercados do risco de interrupções no fornecimento. Mas com a capacidade ociosa da Opep + prestes a cair para novos mínimos no final deste ano, esse amortecedor crucial pode não ser eficaz na proteção do mercado contra riscos e interrupções geopolíticas.

Os aumentos de produção planejados da OPEP + reduzirão a “capacidade ociosa sustentável” para um desconfortavelmente baixo 800 mil bpd até junho, assim como a demanda por petróleo deverá crescer 3,5 milhões bpd no segundo semestre de 2022 no primeiro semestre do ano.

Chamamos de “capacidade ociosa sustentável” a produção ociosa que pode ser disponibilizada por um longo período. O impacto no preço de interrupções no fornecimento ou riscos de segurança para a produção normalmente depende do nível de capacidade ociosa disponível, que variou de 7 a 9 milhões de b/d de maio a dezembro de 2020, quando a OPEP + embarcou em grandes cortes de produção à medida que os mercados globais de petróleo foram abalados pela pandemia do COVID-19. Mas até o final de 2021, a capacidade ociosa era de cerca de 3 milhões de b/d, com quase 90% disso nas mãos dos principais produtores da OPEP+ – Arábia Saudita, Rússia, Emirados Árabes Unidos e Kuwait.

Para agravar a situação de redução da capacidade ociosa, ela ocorre em meio a um aumento nos incidentes de segurança em instalações de petróleo, oleodutos e navios-tanque. Dados compilados do Platts Oil Security Sentinel mostram que houve 70 eventos de segurança confirmados do início de 2017 a 19 de janeiro de 2022.

Acrescente a isso as negociações nucleares do Irã, consideradas o maior risco geopolítico para o mercado de petróleo em 2022. O fracasso de um acordo nuclear com o Irã não apenas impede a entrada de capacidade de produção iraniana adicional no mercado, mas também pode interromper seus suprimentos atuais no mercado.

Os mercados provavelmente estão precificando esses riscos, devido ao recente aumento de preços, já que os fundamentos não apertaram tanto quanto os preços sugerem. Os estoques globais de petróleo começaram a se acumular desde meados de dezembro, o que deve continuar modestamente nos próximos meses, à medida que a OPEP + aumenta a oferta. Mas com saldos mais apertados no segundo semestre de 2022, os riscos de oferta exigirão maior atenção. Até lá, a capacidade ociosa dependerá apenas da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

Paul Sheldon é chefe de consultoria geopolítica da S&P Global Platts Analytics


você pode gostar também
Abrir Whatsapp
Precisa de Ajuda?
Olá! posso te ajudar?